domingo, 8 de novembro de 2009

Sobre a Liberdade

Bueno...

Já faz algum tempo que não consigo blogar, mas esse fim de samana vi algumas coisas que me fizeram pensar sobre essa palavra e as relações que nela estão contidas.

Então... Liberdade é uma palavra extremamente ambígua do meu ponto de vista. O que é? Pra que serve? Sei lá. Mas o que realmente importa são as consequencias de tal liberdade.

Into the Wild, no filme o guri vai em busca de sua liberdade, pensando que aí encontraria a felicidade. Faltou ele pensar antes em quais seriam as consequencias da liberdade total. Complicada a situação, não é?? Pensa só. Um cara completamente solto na floresta, na cidade, no deserto, e em todos os lugares ao mesmo tempo... Sem grana, sem família, sem preocupações, sem trabalho, só ele e a "liberdade". O moleque podia fazer o que quisesse... e fez.
As amarras da sociedade não conseguiriam pegá-lo, mas em contraponto ele não tinha água quente, gás, fogo, cama, namorada.
Chegou à liberdade total, fez todas as coisas que queria e foi engolido pela falta de uma coisa básica. Compreensão.

Nessa sociedade estranha em que vivemos temos que compreender que nem sempre a liberdade total é a solução. Precisamos de vez em quando que alguém nos puxe de volta do nosso devaneio libertário. Que alguém nos diga que se fizermos alguma coisa que foi longe demais vamos ter que pagar o preço. É uma coisa que todo professor aprende rapidamente: O NÃO ENSINA MAIS QUE O SIM.
É isso aí, mano. É bom que alguém nos dê um tapa na cara de vez em quando. Que alguém nos negue alguma coisa. É bom não termos toda a liberdade de vez em quando. Óbvio que essa é a minha humilde opinião.

Um amigo meu utiliza essa liberdade com as garotas.

Não que ele seja galinha, ou algo do gênero. Longe disso, é que o cara é um apreciador das artimanhas da conquista. Sabe o lance aquele entre o homem e a mulher? Aquilo que acontece na noite. Ou na redenção. Ou no mercado... Ahh vocês entenderam.

Bom. O cara é solteiro. Livrinho, livrinho! E gosta de utilizar sua liberdade. Ele enamora-se de um garotinha na segunda-feira, completamente apaixonado! Não pela garota, eu penso, pela conquista. Pelo ato. Na terça ele encontra outra, ruiva, morena, não importa. Enamora-se dela, vai lá e pum! Ele pode! E ninguém tem nada a ver com isso...

Ou não...

Eu pelo menos não tenho. Não julgo e não acho nada de errado. Mas e elas? Seriam essas moças libertárias??? Seriam elas também apreciadoras da conquista?? Na minha opinião algumas sim, são.
É o que eu disse. A liberdade é muito legal, mas e a consequência??
Liberdade não é fazer o que quiser sempre que quiser. Eu penso que é fazer o que quiser aceitando as consequências daquilo que se faz.

Outro exemplo.

Eu tenho aqui neste espaço a liberdade de escrever o que eu quiser!

Ou não.

Se eu escrevo aqui alguma coisa sobre a beleza da Luana Piovani no filme "A mulher Invisível" com certeza o bicho pega pro meu lado. Não que eu tenho achado ela bonita (viu patroa!?), nada disso... Eu achei um papel vulgarizado, que não deixou espaço pra que ela mostrasse seu dom de atriz.

Poder, eu posso escrever o que eu quiser.

Mas dever... Será que eu devo?

Isso é liberdade... Novamente, na minha opinião.

Poder ou dever.

E mais.
Quando exercemos nosso sagrado direito à liberdade temos que prever as consequencias e pesar se é o que devemos, ou não, fazer.

Outro exemplo.

Corro o risco de sofrer represálias de meus amigos homens escrevendo sobre esse assunto tão complicado que é o momento da conquista, mas eu acho que era meu dever. Vamos ver o que acontece.

Tá aí. Me curcifiquem...

Ou não.