domingo, 24 de maio de 2009

Sempre tem um Zé!

Noite de sábado, jogo do Inter, Quintão...

Estávamos eu e minha negra no conhecidíssimo, maravilhoso, renomado, fenomenal Rei do Xis assistindo à partida da Máquina Vermelha, com seu Comandante Guiñazu e seus soldados colocando ordem no Goiás, quando o avistamos... Dessa vez ele vestia vermelho, tratava-se de um dos nossos. Era mulato, bebia cerveja, sentava-se ao lado de um alemão, os dois falavam alto, mas ele se exaltava mais. O Internacional não fazia bom jogo, se defendia bem mas errava muitos passes, chutava pouco, enfim, jogo difícil, mas ele empurrava a equipe e apesar de estar a pelo menos uns 1239 kilômetros de distância jurava que podia ser ouvido pelo Tite!

-"Tite!!! Coloca o Nilmar!! (sendo que esse se encontrava em Porto Alegre poupado para a partida contra o glorioso Coxa.)"
Impressionante mesmo era o desequilíbrio de emoções, em um momento vociferava dizendo para o Taison passar a bola, com raiva, lamentação olhos injetados... e no momento seguinte se abraçava ao alemão ao seu lado dizendo:
-"Pô Alemão, mas tu ta bonito com teu uniforme novo!", e os dois caiam em gargalhadas rasgadas, "hhhrrruuuuaaaaahhrhruuaarhhhuua!!!!!!!", que podiam ser ouvidas lá do Asun.

Em dado momento percebi que ele falava muito com o alemão e dizia assim:
-"Pô Nenê!!! Não deu Nenê!!!" e novamente caiam os dois na gargalhada. Até então eu pensei que Nenê fosse seu companheiro de manguaça. Foi quando minha patroa me cutucou e apontou um senhor mais velho que desfilava a nova camisa dourada do Inter (muito bonita diga-se de passagem) com uma escritura atrás logo acima do número 5, e qual não foi minha surpresa quando notei que dizia ali "NENÊ". Entao era isso!!! Os beberrões zombavam daquele senhor! Um senhor respeitável, com sua filha e sua patroa!!! E eles zombavam do cara!! A qualquer jogada ruim do Inter era um "Bah Nenê vâmu de novo! wwwrrrhhhuuaaa rrruuuaaaa rrruuuuaaa!!!!", quando o Coxa atacava era, "É agóóouuuraaaa Nenê!!!!! wrrruuuaáááá Ruuuuááá ruáaá!!!!", e assim foi.

Os Zés são assim, pessoas sem coração, românticos num instante e no outro bastardos que só querem gargalhadas embriagadas.

O ápice se deu quando do gol do Internacional. Apesar de tudo ele era um colorado, um Zé, masum colorado. Quando o Cordeiro cruzou e o Taison cumprimentou o bom goleiro do Goiás, Harlei, tirando o zero do placar todos gritaram, saudaram, se abraçaram, mas ele não. Ele era um Zé.

No momento em que percebera o auge da partida ele fervorozamente se levantou de sua cadeira da "Skol" correu para a parede e urrou, numa estranha forma de comemoração urrou para a parede, como se berra para um adversário, sabe? Quando a gente vibra pra torcida adversária, vai até a grade depois de um golaço e vibra "ÉÉÉHHHHHHHH!!!" com todas as forças de nossos pulmões. Pois aquela parede nunca viu um berro mais raivoso! Eu pensei que naquele momento a parede fosse desabar, tamanha a raiva contida naquele urro! Incrível! Não fosse uma parede bem construída teria caído, sim teria. Ele ficou por 5 intermináveis segundos berrando contra a parede, lembra do Dunga quando bateu o pênalti em 94? Foi assim, o soquinho do Dunga, lembra?? Mas ele usou os olhos. Olhos inflamados pela cana, olhos vermelhos de ódio, olhos inchados pela cachaça! Impressionante! Um olhar que derrubaria o Júnior Baiano! Mas a parede não caiu, e depois dos cinco intemináveis segundos ele se voltou para onde estávamos como se nada tivesse acontecido, como se tivesse ido ao toillete (banheiro em francês), e para nossa surpresa reconheceu nosso vizinho de mesa, era seu conhecido de anos.

-"E aí cara!!! Não acredito! Que tu tá fazendo por aqui?" perguntou o nosso vizinho de mesa quase se escondendo de vergonha por conhecer aquele Zé.
-"Pô vim passá o findi com o meu cunhado! Ele tá bunito com esse fardamento novo hein!?" e apontou para o alemão que prontamente o abraçou com carinho.
-"Aê, olha ae o presente que o cunhadão me trouxe!" disse o alemão apontando pro Zé e novamente abraçando-o afetuosamente.
-"Bacana, bacana, e o Inter hein!? Que beleza..." disse avexadamente nosso vizinho de mesa, e enquanto isso sua senhora o perguntava: "- Tu conhece de onde isso aí?", "-Ahh, lá de Cachoeirinha...", a resposta vaga não foi bem aceita pela esposa, mas ele continuou firme assistindo à partida...

Nosso Zé então se voltou para o coitado do Nenê... "-Olha aí Nenê!!! Não te falei!???? O Taison é fooda!!!", e o coitado do Nenê se fazendo de salame pra não esbofetear o Zé, e continuou assim até o final do jogo.

Nesses momentos eu paro pra pensar.

Zé é um estilo de vida, disso todos nós sabemos, mas como chamaremos as vítimas do Zé? Como serão conhecidos aqueles que são parados na rua por aquele bêbado chato? Como será chamada minha vó quando o Clean Zé chega na frente de sua casa e começa uma interminável conversa sobre sua namorada Pepé? Como será chamado o Duca, que naquela inesquecível passagem com o Gil o chamou de bosta, e depois de um bom vizinho??? E nós que sempre temos que aturar as mudanças de idioma do Dirty Zé?

Seremos a partir de agora conhecidos como Nenê!!!!!

O que vocês acham?

Um comentário: